Abandono de emprego: quando se caracteriza e como proceder nesses casos?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Através do Decreto-Lei Nº 5.452, de 1º de Maio de 1943, ficam instituídos no seu artigo 482, os motivos que o empregador que contratam pela CLT, podem demitir por justa causa. E, um desses motivos é o abandono de emprego.

Veremos aqui quando é considerado abandono, quais são suas especificações e como o empregador deve agir diante dessa situação.

 

Como se caracteriza o abandono de emprego?

O abandono de emprego pode ser caracterizado por dois fatores primordiais. O principal fator é o colaborador não comparecer ao trabalho por 30 dias consecutivos, sem justificativa ou contato com a empresa.

O segundo fator é quando essas faltas tem o objetivo por parte do trabalhador, não retornar mais ao trabalho.

Existindo a presença dos dois fatores, o empregador pode dispensar o colaborador por justa causa, porém, alguns procedimentos são necessários para que isso seja efetivado. 

 

Como notificar o abandono de emprego de um funcionário?

O primeiro passo é constatar que os dois fatores que indicam o abandono estão presentes.

Depois, é necessário que a empresa realize três tentativas de entregar uma carta registrada através dos Correios, para localizar o funcionário.

Se mesmo após essas tentativas, não for possível encontrar o colaborador, existe a opção de postar um anúncio através de um jornal de grande circulação.

E, nesse anúncio solicitar que o colaborador se apresente ao trabalho, e caso isso não ocorra, a consequência é o desligamento por justa causa.

Também existe a opção enviar uma notificação através do cartório.

Porém, essa alternativa pode ter impedimento se o funcionário ou um familiar não assinar a notificação recebida, pois a assinatura será a única comprovação de que ele foi notificado.

 

Passos para a notificação 

Alguns passos são necessários para efetivar o processo de rescisão por abandono de emprego, veremos abaixo quais são.

  1. Após o prazo de 30 dias de faltas não justificadas, o colaborador será notificado a comparecer à empresa, e se não se apresentar, será penalizado com a justa causa;
  2. Preparar a notificação e enviar através de carta registrada, com o prazo para que ele se manifeste;
  3. Inclua todos os procedimentos realizados no livro de empregados, na ficha do colaborador;
  4. Se, após o prazo determinado não houver demonstração de retorno por parte do funcionário, é necessário continuar com o processo de rescisão do contrato, conforme regras de desligamento por justa causa;
  5. Após o envio do aviso de rescisão ao colaborador, de preferência por carta registrada também, é concluído o processo. 

Como proceder se o funcionário retornar?

Mesmo com a mínima chance disso acontecer, é sempre importante pensar nessa possibilidade. 

Como convenção geral, a justa causa só se caracteriza se tiver confirmação do abandono. E, mesmo após ser notificado, se o funcionário retornar ao trabalho não é possível finalizar o contrato por esse motivo.

Algumas situações podem acontecer se o colaborador voltar antes ou após ser notificado, sendo elas:

  • A empresa não pode aplicar a justa causa, se as faltas forem justificadas por alguma situação incomum, mesmo que não seja legalmente aceita;
  • Em caso de apresentação de justificativa legal, a empresa também não pode romper por justa causa, e nem descontar as faltas do salário do colaborador;
  • Também existe a opção da empresa, mesmo que o funcionário não justifique sua ausência, aplicar penalidades como descontos, advertências, feedbacks pontuais, e outras, mas ainda assim não pode efetivar a justa causa;
  • E por último, se o interesse de finalizar sua relação com a empresa partir do colaborador, pode ser feito um acordo, mas ele perde determinados direitos trabalhistas, como o saque do FGTS, e seguro desemprego.

Algumas justificativas estão previstas pela CLT, como problemas de saúde, ou até mesmo óbito de familiares. 

E, em alguns casos, a própria empresa “perdoa” as faltas sem justificativa, mantendo o colaborador na empresa.

 

O que fazer após confirmação do abandono de emprego?

Existem algumas obrigações que a empresa precisa cumprir após a confirmação da rescisão por justa causa, para a situação ser resolvida entre empresa e funcionário. 

Devido à rescisão do contrato ser através da justa causa, o empregado perderá direitos trabalhistas como aviso prévio, multa de 40% do saque do FGTS, e também não poderá solicitar o seguro desemprego.

Com relação aos direitos de férias proporcionais, não existe determinação sobre esse pagamento.

Portanto, fica sob responsabilidade da contabilidade da empresa, fazer um prognóstico sobre esses valores, caso a empresa necessite arcar com essa despesa. 

Os direitos obrigatórios que o funcionário deve receber são o pagamento do salário mesmo com descontos, valor do 13° proporcional ao ano vigente e férias vencidas. 

A empresa tem o prazo de 10(dez) dias corridos após notificar a demissão, para efetuar os pagamentos a que o trabalhador tem direito.

Se o tipo de contrato de trabalho adotado pela empresa for o indeterminado, regido pela CLT, é de suma importância que tenham conhecimento e fiquem atentos ao que determina a lei, para que a empresa cumpra todas as suas obrigações em casos de rescisão por justa causa.

 

Ficou com dúvidas ou precisa de assessoria contábil? Fale com um de nossos especialistas!

 

Quer abrir uma empresa ou Trocar de contador? Deixe seu contato, te mostraremos o melhor em tecnologia contábil.