O bom gerenciamento empresarial envolve diversos aspectos técnicos e analíticos, dentre eles encontra-se o conhecimento pleno sobre os processos corporativos e seus resultados.

O conhecimento sobre os custos de uma empresa é parte essencial para construção de uma gestão plena, atuante e positiva. 

Porém, quando se fala em custos, é preciso entender que eles não ocorrem de uma única maneira, mas sim são espalhados pelos setores e pelas atividades essenciais realizadas internamente. E é preciso analisar resultados e fazer projeções para compreender como eles impactam a atividade corporativa.

Uma das principais confusões feitas por administradores de empresa envolve os custos gerenciais e o custo contábil e o seu objeto de análise. E o post de hoje vai servir para você eliminar qualquer dúvida relacionada a este tema. Boa leitura!

Inscreva-se no canal para mais conteúdos sobre Contabilidade e Empreendedorismo!

O que é custo contábil?

Com o levantamento dos custos contábeis, é possível determinar as transações financeiras feitas pela empresa e, com base nessas informações, construir relatórios bem transparentes e objetivos sobre a alocação de verbas da empresa e como elas são utilizadas. 

O objetivo desta análise é fazer uma profunda apuração nas atividades operacionais e analisar os valores envolvidos, já que esses dados devem constar no Bloco L da ECF (escrituração contábil fiscal) e no Bloco H da EFD (escrituração fiscal digital).

Com essas informações, fica evidente que o objetivo do custo contábil é levantar as dados financeiros da empresa para o público externo, mais precisamente os órgão de regulamentação e Receita Federal e os stakeholders.

Como é feita a mensuração do custo contábil?

Para fazer o levantamento preciso das atividades e seus custos, são utilizados os sete princípios fundamentais da contabilidade, que são:

  1. Princípio da entidade;
  2. Princípio da continuidade;
  3. Princípio da prudência;
  4. Princípio da competência;
  5. Princípio da oportunidade;
  6. Princípio da atualização monetária;
  7. Princípio do registro pelo valor original.

O que é custo gerencial?

Custo gerencial é um processo analítico que tem como finalidade analisar e identificar os dados sobre as operações da empresa para auxiliar na tomada de decisões e na melhor alocação da verba corporativa. 

Os custos gerencial são, de forma simplificada, relatórios completos, com informações claras, objetivas e dinâmicas. 

Tudo precisa ser compilado de forma simples, intuitiva e que tenha uma linguagem acessível aos profissionais que irão manejar esses dados e utilizá-los para definir as diretrizes da empresa. 

A produção do custo gerencial pode ser executada com dados comparativos, analisando o que acontece hoje com cenários já vivenciados pela instituições. Além da comparação com o que já passou, esse tipo de relatório pode conter projeções de resultados feitos com base nos números atuais. 

Devido à sua característica de apresentação de dados com foco em tomada de decisão, é evidente que, ao contrário do custo contábil, o custo gerencial é focado no público interno da instituição.

Diferentes, mas complementares no planejamento empresarial

Os dois tipos de custos possuem suas características próprias, objetivos distintos e modos de produção diferentes, porém, eles podem ser utilizados em conjunto.

O custo gerencial vai auxiliar na identificação das medidas que devem ser tomadas pelos administradores da empresa para fazer as modificações necessárias com foco na melhoria dos resultados. 

Porém, é importante ressaltar que o objeto de análise não se resume aos valores financeiros. Ele também pode ser usado para análise de outros aspectos e setores que não tem relação direta com o dinheiro da empresa.

Já o custo contábil foca mesmo nos números e nas demonstrações financeiras, analisando a situação econômica da instituição.

A união do custo contábil e gerencial vai permitir uma análise profunda sobre a empresa, seus processos, finanças e resultados. O uso mútuo garante benefícios corporativos internos e externos, ajudando a prever resultados econômicos e auxiliando na busca pela excelência nas atividades.

Diante disso, fica evidente a importância de executar um bom planejamento financeiro, o que vai permitir mais investimentos, que geram resultados e trazem lucros a curto, médio e longo prazo.

A união das duas formas de análise amplia a competitividade no mercado, especialmente por dar inteligência de negócios e facilitar a leitura do cenário que a empresa vive. 

Com isso, é possível se antecipar diante de alguns acontecimentos do mercado, e, se a empresa executou um bom planejamento, será possível sair na frente dos concorrentes em termos de estratégia e bom uso das verbas. 

Conclusão

Relatórios financeiros analíticos e completos, como o custo contábil e o custo gerencial, fomentam a inteligência de mercado da empresa e permitem que agentes internos e externos a ela tenham pleno conhecimento sobre as finanças corporativas e a forma como elas estão sendo utilizadas. 

Esse tipo de informação é muito importante para a empresa ganhar destaque no mercado e a confiança de investidores e potenciais compradores e acionistas. 

Uma gestão de qualidade pede transparência e precisão analítica, e com base nesses dois processos mencionados ao longo do texto, uma empresa se torna um “livro aberto”, o que é essencial em um mundo onde compliance e ética são indispensáveis. 

Para saber mais sobre processos contábeis, dicas de otimização da contabilidade empresarial e curiosidades sobre esse universo, visite a home do nosso blog. Lá estão diversos conteúdos completos sobre os mais variados temas, que podem ser aplicados no seu dia a dia profissional.

Comentários