Cerca de 70% da população brasileira tem acesso à internet, segundo o relatório Digital in 2019, desenvolvido pela Hootsuite em parceria com a We Are Social. O estudo aponta que o país possui quase de 150 milhões de internautas e que eles passam, em média, 9 horas e 29 minutos online por dia.

“Todo mundo está conectado. Ou você está na web ou não existe”, contextualiza o diretor da Academia do Marketing, Alberto Valle. A grande questão é: como desenvolver ações de marketing em um ambiente tão vasto e competitivo? As possibilidades de estratégias que podem ser desenvolvidas são muitas e variam de acordo com as características de cada negócio.

Ter um site, por exemplo, é mandatório, e algo relativamente simples de desenvolver. Atualmente, existem plataformas que viabilizam a construção das páginas sem que seja necessário ter conhecimento de programação, constata Valle. “O problema é que o site, sozinho, não funciona, porque ele tem que ser encontrado. É aí que entram as ferramentas de marketing digital”, afirma.

Um dos recursos mais importantes é o Search Engine Optimization (SEO, ou otimização para mecanismos de busca), que segue alguns padrões de formatação e, assim, favorece a visibilidade do conteúdo em buscadores, como o Google, objetivando o ranqueamento das páginas nas primeiras posições. “O marketing de busca tem duas dimensões: busca orgânica e os anúncios pagos”, detalha Valle. O ranqueamento orgânico é resultado exclusivo da relevância do conteúdo, enquanto na plataforma de anúncios paga-se um valor por palavra-chave, com o intuito de que a página seja divulgada com destaque. Mas o SEO está sempre associado a outras ferramentas, como blogs corporativos, landing pages (páginas de captura de contatos), etc. Dificilmente uma iniciativa nessa área trará bons resultados se não estiver vinculada a uma estratégia bem desenhada.

Propósito em primeiro lugar

O coordenador de pós-graduação e extensão da ESPM, Sthefan Gabriel Berwanger, avalia que as empresas brasileiras ainda estão investindo de forma equivocada em marketing digital. Para ele, “falta visão de negócios e planejamento estratégico”. “As ações são feitas de forma desordenada, sem pensar no objetivo”, critica. E não são apenas as pequenas empresas que falham, trata-se de erro comum, que pode ser observado, também, em grandes companhias, adverte.

As estratégias de marketing digital atendem a diferentes propósitos: colaboram para atrair clientes em potencial, educar o público consumidor sobre produtos ou serviços, fortalecer a marca, gerenciar o relacionamento com o cliente, alcançar novos mercados, enfrentar novos competidores, entre outros. O problema é que, frequentemente, as ações são desenvolvidas sem considerar esse diagnóstico. “A partir desse entendimento é que se vai buscar o canal mais adequado”, sustenta Berwanger.

Toda a estratégia de marketing digital deve estar associada aos objetivos traçados pela empresa e aos resultados esperados, mas é preciso que o empresário também entenda quais são as ferramentas mais adequadas para o seu negócio. Berwanger recomenda que os gestores busquem informações e cursos introdutórios de marketing digital capazes de explicar o tema a partir de cases. O objetivo não deve ser aprender técnicas, mas conhecer as melhores práticas para saber como demandar serviços. Ele frisa que esse é um serviço especializado, a ser realizado por profissionais da área.

Marketing digital em 5 passos

Berwanger sugere algumas etapas no planejamento e execução das ações de marketing digital:

1. Faça um diagnóstico interno

Analise qual é o momento atual da empresa e quais são as necessidades, para entender o que deve ser priorizado.

2. Contrate serviços especializados

Definindo o propósito das ações, procure agências ou profissionais capacitados.

3. Incremente o investimento aos poucos

Se precisar executar campanhas pagas no Google, comece com valores menores. Os investimentos devem ser aumentados aos poucos, de acordo com os resultados obtidos.

4. Acompanhe as metas alcançadas

Estabeleça métricas e acompanhe periodicamente os resultados das ações implementadas.

5. Tenha flexibilidade para ajustar as estratégias

As táticas podem ser revistas no meio do caminho, sempre considerando os objetivos da empresa e as metas estabelecidas.

Fonte: Contas em Revista.

Comentários