O que é o caixa de uma Empresa?

Na linguagem contábil e financeira, o caixa de uma Empresa é a denominação dada a uma conta que registra os recursos financeiros disponíveis para movimento.  Nessa conta caixa, também chamada de fluxo de caixa, registra-se entradas e saídas de dinheiro.

A gestão financeira de uma empresa é fundamental  para seu sucesso, portanto, ter um planejamento e controle do fluxo de caixa é básico e indispensável.

Nesse artigo vamos falar um pouco mais sobre o fluxo de caixa e sua importância.

 

O que é fluxo de caixa de uma Empresa?

 

O caixa de uma Empresa pertence ao grupo do ativo circulante, ou seja, nele estão os saldos em caixa, saldos em bancos, aplicações financeiras de liquidez imediatas e numerárias em trânsito.

A movimentação desse  caixa , ou seja, o fluxo de caixa, deve ser controlado diariamente.

O objetivo dessa ferramenta é apurar e projetar o saldo disponível para que exista sempre capital de giro acessível tanto para o custeio de todo o  operacional  da empresa, tais como folha de pagamento, impostos, fornecedores, entre outros.

Vale ressaltar que o  controle de caixa vai além do simples controle diário. Ele também influi totalmente na projeção financeira, para curto, médio e longo prazo. Dessa forma, facilita bastante o planejamento para crescimento, renovação e inovação do negócio, através de investimentos.

No fluxo de caixa, todas as movimentações ficam registradas, bem como a razão pela qual elas ocorreram. Desde os recebimentos de clientes, juros de investimentos ou qualquer entrada de capital, bem como pagamentos, compras e  todas as despesas .

 

Como fazer o controle do fluxo de caixa?

 Basicamente um bom  fluxo de caixa precisa ter, no mínimo, 04 categorias, conforme a seguir:

  1. Saldo Inicial

    – nessa categoria é registrada todo o dinheiro disponível em caixa ou seja, todo dinheiro disponível para ser movimentado, considerando saldos nas contas bancárias.

 

  1. Entradas de caixa

    – aqui é registrado toda a receita ou créditos proveniente das vendas, recebimentos diversos, rendimentos e etc.

 

  1. Saídas de caixa

    –  nessa categoria encontramos o lançamento de todas as despesas, sejam pequenas ou grandes.

 

  1. Saldo Operacional

    -esse saldo é  o resultado das Entradas menos as Saídas de caixa, gerando o capital de giro.

 

Dicas Importantes

 Faça uma análise do seu fluxo de caixa e crie categorias para facilitar os lançamentos. Exemplos: Despesas com pagamento a fornecedores; Despesas com contas fixas; Despesas com funcionários; Despesas com transporte e assim por diante. Esse mapeamento facilita visualizar os gargalos.

  • Assim como o item despesas vale categorizar as receitas, assim possibilita um maior controle das fontes , se em dinheiro, em crédito, quais os montantes e a frequência.
  • Estabeleça a periodicidade dos lançamentos, podendo ser diário, semanal, quinzenal ou mensal. Mas tenha em mente que o controle diário é o mais adequado para se manter a saúde financeira da empresa.
  • É importante ter uma coluna onde possa ser registrada toda a previsão de faturamento, com datas especificadas. Assim não se perde nenhuma cobrança, possibilita o planejamento de despesas e investimentos.

Erros mais comuns

Existem alguns erros que devem ser evitados, visto que um bom fluxo de caixa é uma ferramenta  eficaz para uma gestão financeira eficiente.

1. Não controlar o fluxo de caixa  – não basta elaborar um fluxo de caixa. É necessário que ele seja controlado para que impacte positivamente na gestão financeira.

2. Não atualizar  – é importante ter disciplina e manter a periodicidade dos lançamentos.

3. Não categorizar os lançamentos –  fundamental ter categorias bem claras. Evite  lançamentos genéricos, do tipo “despesas diversas”.

5. Controlar via livro-caixa – nos tempos atuais onde a tecnologia nos oferece várias opções de automação, é um erro usar o antigo lançamento em livro-caixa. Use um software apropriado, que permite lançamentos inteligentes, segurança no armazenamento e compartilhamento quando for necessário, como por exemplo, com a assessoria contábil da empresa.

6. Contar com dinheiro que ainda não entrou – Esta é outra situação muito comum de ocorrer nas empresas: contar com dinheiro que ainda não entrou em caixa.  Por exemplo, uma venda parcelada.

7. Contas pessoais e contas da empresa –  Este talvez seja um dos erros mais comuns, cometidos principalmente por empreendedores iniciantes: confundir as contas pessoais com as contas da empresa.

8. Ter inconsistência nas informações – todos os lançamentos precisam ser consistentes, bem detalhados com datas, valores, categoria, etc.

9. Não ter assessoria contábil –  é fundamental contar com a assessoria de um contador e estabelecer uma parceria para melhor gestão do seu negócio.

Comentários