Como elaborar um plano de negócios

Para quem quer se tornar empreendedor, saber elaborar um plano de negócios é  fundamental . Abrir uma empresa já oferece riscos, contudo, se quiser começar do jeito certo, não abra mão de um bom plano de negócios.  Afinal, planejamento é a palavra de ordem e meio caminho andado rumo ao sucesso.

Inclusive já existem pesquisas que mostram que a falta de um plano de negócios é um dos responsáveis por processos de falência, já mesmo no primeiro ano de vida da empresa.

 

O que é um plano de negócios?

Plano de negócios nada mais é que a materialização de um planejamento estratégico. Ele  abrange o conceito do negócio, o estudo de sua viabilidade,  estratégias para  construção e manutenção da nova empresa.

Nesse plano o negócio vai ser desenhado, com tudo que precisa para ser estruturado, desde a escolha da razão social, o modelo tributário, o foco, o mercado, a gestão financeira, estratégias de marketing, enfim, tudo que é necessário para se construir  uma empresa saudável, sustentável e rentável.

Lembrando que ele é um documento que deve acompanhar a empresa e que ele deve ser construído com bases sólidas, informações precisas, pesquisas e estudos, consultando os devidos profissionais necessários.

Vantagens em montar um plano de negócios

Vamos resumir as principais vantagens em se elaborar um plano de negócios, seja antes de abrir ou mesmo depois da empresa já em funcionamento:

  • Simular a viabilidade do negócio no mercado
  • Auxiliar na captação de recursos financeiros
  • Dá credibilidade ao negócio, com um planejamento documentado.
  • Serve para orientar a gestão financeira
  • Ajuda a conquistar possíveis sócios, associados, convênios e parcerias.

Passo a Passo da elaboração do plano

Uma vez definido qual tipo de negócio se quer montar, por exemplo, se será comércio, indústria ou prestação de serviços e ainda, qual produto será produzido, comercializado ou serviço prestado, o próximo passo é a elaboração do plano de negócios.

  1. Sumário executivo

 

Todo plano de negócios, numa versão mais simplificada deve iniciar por um sumário. Na verdade, é a parte que abre o plano, no entanto, é a última a ser elaborada, por se tratar de um sumário. Como num livro, ele serve para facilitar a identificação do conteúdo e a localização de cada tema.

  • Descrição do negócio;
  • Apresentação dos diferenciais competitivos;
  • Missão da empresa;
  • Perfil do empreendedor;
  • Apresentação dos produtos e serviços;
  • Mercado de atuação;
  • Localização;
  • Valor do investimento;
  • Forma jurídica;
  • Enquadramento tributário.

 

  1. Estudo de mercado

Saber quem são os clientes, concorrentes e fornecedores, além de detalhar quais são os produtos ou serviços que vai oferecer.

Identificar o público-alvo de seu empreendimento é fundamental para definir muitas coisas no negócio. Faça pesquisa, busque informações detalhadas, localize quem é e onde está o seu público.

  1. Posicionamento da marca

Toda informação  coletada no item  anterior será necessária para definir estratégias de marketing, qualidade do produto, preços , enfim, como posicionar sua marca no mercado e qual a “embalagem” que ele terá, seja  produto ou serviço. Nessa etapa que se define o quanto será investido em consolidação da marca e quais ações serão feitas para seu crescimento;

  1. Operacional

Concluídas as etapas anteriores, é hora de saber a melhor maneira para executá-la e é nesse momento que entra em cena a elaboração dos planos operacional e financeiro.

O plano operacional descreve como a empresa será estruturada: endereço, instalações físicas, equipamentos e equipe necessária para atender as demandas. Essa etapa é fundamental, pois vai definir se o negócio é financeiramente viável.

  1. Financeiro

No plano financeiro, o empreendedor terá noção do quanto deve investir para concretizar a empresa. O documento deve conter, basicamente, as estimativas de custos iniciais, de despesas e receitas, capital de giro e fluxo de caixa e de lucros.

Tanto no Operacional quanto no financeiro, é imprescindível apresentar cada item com máximo de detalhes, etapa por etapa, para oferecer um panorama inicial real de operacionalização do negócio, a fim de evitar desperdícios e aperfeiçoar as rotinas.

Planejar o investimento do negócio é parte desse processo, por isso, o plano financeiro também é importante.

Os custos pré-operacionais devem ser projetados, identificando o que será necessário adquirir para que a empresa seja aberta, como aluguel e reforma do espaço e as taxas de registro.

A lista de equipamentos, ferramentas e veículos, elementos dos quais a empresa dependerá para funcionar, entram no grupo dos investimentos fixos. Nesse primeiro momento cabe avaliar se alguns equipamentos serão comprados ou alugados. E caso estejamos falando de serviços, a avaliação vai para as contratações de pessoal, em qual formato será.

Na gestão financeira é preciso estipular o capital de giro, que é o montante de recursos para garantir o funcionamento normal da empresa, principalmente para as despesas e receitas bem como calcular o tempo que o capital inicial investido retornará aos investidores ou sócios.

6.          Modelo  de negócios

Um bom modelo de negócios é a chave para um bom desempenho financeiro da sua empresaÉ importante que você detalhe todas as fontes de receita do seu empreendimento, bem como em qual regime tributário ela vai operar, segundo seu perfil de negócio:

  • Custos principais para a geração de receita
  • Rentabilidade do negócio
  • Investimentos necessários

O tamanho dessa seção irá depender de como é o seu modelo de negócios, mas é importante que você consiga sintetizar toda a sua explicação em uma página, para que seja de fácil visualização e entendimento depois de pronto.

Lembre-se que, todo esse processo pode se tornar mais fácil e eficiente se você contar com a assessoria contábil. Aliás, esse é  o primeiro parceiro de caminhada que deve providenciar:

 

 Deixe seu comentário!

 

 

 

Comentários